PT | EN
ENVIA-NOS UMA MENSAGEM geral@rostosolidario.pt
CONTACTA-NOS +351 256 336 001
FAÇA UM DONATIVO

Europe in Moldova

EUROPE IN MOLDOVA

Estado: concluído
Início: 1 de Janeiro de 2013
Conclusão: 30 de Agosto de 2014
Local: Moldávia
Parceiros: AIESEC Chisinau
Entidade Financiadora: Erasmus+

Com o objetivo de promover a participação ativa do jovem na sua sociedade, o projeto usou uma abordagem participativa, envolvendo o voluntário em todos os passos, oferecendo a oportunidade de desenvolver as suas próprias atividades e de tomar decisões em relação ao desenvolvimento do projeto.

Pretendeu-se promover um maior conhecimento / consciência da importância do voluntariado num contexto internacional, não apenas através de campanhas e de materiais de divulgação, mas também através do poder do exemplo do próprio voluntário.

O projeto visou ainda a promoção da colaboração europeia no âmbito juvenil e para tal criou oportunidades de voluntariado em diferentes organizações moldavas (em concreto 60 oportunidades de voluntariado na Moldávia envolvendo 20 organizações moldavas e 10 europeias).

Pretendeu ainda estimular a criatividade e o empreendedorismo jovem, oferecendo oportunidades aos jovens de começarem um novo projeto, estarem envolvidos no desenvolvimento de novas atividades, desenvolvendo capacidades e adquirindo competências empreendedoras.

As boas práticas e contributos positivos trazidas pelos voluntários internacionais permitiram aumentar o “know-how”da juventude moldava.

Pode-se afirmar que o projeto “Europe in Moldova” significa “Viver a Diversidade” e “Cidadania Ativa.”

OBJETIVOS

  • Promover cidadania ativa em geral e a cidadania europeia em particular junto de jovens;
  • Criar compreensão mútua entre jovens de diferentes países;
  • Promover a cooperação europeia na área da juventude.
TESTEMUNHO

“A minha experiência enquanto voluntário na Moldávia tem sido extremamente enriquecedora.

Sem a menor dúvida que esta experiência me permitiu abrir os olhos e ver o mundo de uma forma diferente, especialmente o Leste Europeu, que é uma região que os portugueses não estudam tanto ou com a qual não temos uma forte ligação.

O meu contributo para o projeto “Europe in Moldova”, razão pela qual me encontro na Moldávia, é de promover a oportunidade para voluntários de outros países virem para a Moldávia e desenvolver atividades com organizações locais.

O porquê deste projeto é de tornar as organizações locais mais habituadas a lidar com pessoas de outras países e de, pouco a pouco e pessoa a pessoa, facilitar a integração da Moldávia nos parâmetros e valores europeus.

Graças ao projeto, tive a oportunidade de conhecer e trabalhar com pessoas de toda a Europa e mesmo de outros locais do Mundo, que me permitiu entender a forma como eu, enquanto português, perceciono a realidade à minha volta e como pessoas de outras culturas o fazem de forma completamente diferente, mesmo para os afazeres mais básicos do dia-a-dia.

Viver na Moldávia não apresenta muitos desafios, aparte do Inverno que é extremamente frio. Até chegámos a ter uma noite em que a temperatura ultrapassou os -30ºC!

O sistema de transporte público é diferente mas fácil de se adaptar, a cidade é organizada e relativamente pequena, e a casa onde vivia tinha condições acima da média, tendo em conta que estamos a falar de um país onde ainda é comum as casas terem casa de banho no jardim.

Os moldavos, enquanto pessoas, são pessoas abertas e apesar de não falarem inglês fluentemente como em Portugal, recebem muito bem pessoas de outros países, tanto na sua casa como no trabalho.

Sempre se mostraram interessados em mim e na língua portuguesa, e recompensa bastante, após estes meses, ver pessoas a saber mais sobre Portugal aparte do nosso futebol ou das nossas praias.

Admito que às vezes, talvez por ser um país pequeno onde toda gente se conhece, as pessoas preocupam-se demasiado com aquilo que os outros pensam, ou muitas vezes é difícil para eles separarem o pessoal do profissional, mas aparte disso, a adaptação correu sem grandes imprevistos.

Em relação ao projeto, posso dizer que estou a aprender bastante, já que é relacionado com marketing e vendas, e de persuadir as pessoas a “comprarem um produto” que não faria parte das suas primeiras opções. Visto em perspetiva, é um desafio bastante interessante para alguém que tirou curso em Gestão de Marketing e que queria ter mais experiência na área.

Durante estes meses, houve muitos desafios na implementação do projeto. Desde adaptar-me à cultura de trabalho dos moldavos, em que é preciso lidar com as pessoas de uma forma diferente da que fazemos em Portugal, até conseguir convencer organizações e voluntários a participarem no projeto e a saírem da sua zona de conforto.

No final, acabámos por atingir a maior parte dos nossos objetivos e estamos bastante contentes com os resultados até agora, apesar de haver mais trabalho por fazer.

Fico contente por ter tomado esta opção de ser voluntário SVE pela Rosto Solidário e por ter tido a oportunidade de me desenvolver, tanto a nível pessoal como profissional, e de ver o meu impacto no mundo.”

Nuno Pereira – Voluntário SVE na Moldávia
julho de 2014

GALERIA

Subscreva a nossa newsletter